Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
VAL MARCHIORI É CONDENADA A INDENIZAR LUDMILLA APÓS COMENTÁRIO RACISTA
02/08/2018 22:56 em Música

Caso aconteceu no carnaval de 2016, quando a funkeira desfilou como rainha de bateria do Salgueiro e a socialite estava participando da cobertura da rede TV!

Val Marchiori foi condenada a indenizar a cantora Ludmilla em R$ 10 mil por comentário racista. O caso aconteceu no carnaval de 2016, quando a funkeira desfilou como rainha de bateria do Salgueiro e a socialite estava participando da cobertura da rede TV!.

Ao ver Ludmilla desfilando na Sapucaí, Marchiori disse: “…A fantasia está bonita, a maquiagem…. agora, o cabelo… Hello! Esse cabelo dela está parecendo um bombril gente!”.

Na sentença, a juíza Mariana Moreira Tangari, da 3ª Vara Cível do Fórum Regional da Ilha do Governador, disse que “não há controvérsia sobre o fato” e que foi um comentário “depreciativo e racista, apto a causar dano moral à autora”. Além disso, a juíza declarou que a declaração não teve “nenhum conteúdo jornalístico, informativo e útil para os telespectadores”.

Em sua defesa, Val Marchiori citou o direito de liberdade de expressão e disse não ter criticado o cabelo de Ludmilla, e sim a peruca usada por ela. A magistrada declarou que o vídeo do programa está disponível na Internet e que a comparação do cabelo da funkeira com bombril está clara, mesmo com os apresentadores do programa tentando impedir a ofensa.

“O vídeo do programa está disponível na internet e nele está muito claro que a primeira ré insiste em comparar o cabelo da autora a um bombril, ainda que os apresentadores do programa tenham tentado impedir que ela continuasse a ofender a autora, afirmando que se tratava de um aplique e não do cabelo da cantora”

Ainda segundo a sentença, a liberdade de expressão deve ser exercida com responsabilidade, respeitando outros direitos, como o da dignidade da pessoa humana.

 

 

fonte: O DIA

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!